Inovação e Dados: Como surpreender o cliente na era da Sociedade 5.0

Por Danielle Franklin.

Vivemos a era da Sociedade 5.0, totalmente centrada no ser humano. Com a aceleração da transformação digital no dia a dia das pessoas, tornou-se essencial para as empresas pensarem em seus clientes como indivíduos, cada um com seus hábitos de consumo e desejos, com sua rotina e seus pensamentos. É cada vez mais importante investir na personalização das experiências. Mesmo as empresas B2B têm o desafio de se preocupar com os clientes de seus clientes e como ajudá-los a encarar cada pessoa como única. A pergunta que todos os dias se fazem é: como posso inovar e oferecer ao meu cliente algo que o atraia para estar comigo e não com meu concorrente?  

Num universo cada vez mais conectado, em que a informação chega às pessoas quase na velocidade da luz, fazer diferente e melhor tem sido mandatório. É o que tem separado as empresas de sucesso das que estão brigando para sobreviver em um mercado cada vez mais competitivo. Inovação é a palavra de ordem. Além de cabeças criativas e engajadas no conceito de Open Innovation, a principal base da inovação na Sociedade 5.0 é entender os dados que são gerados por cada pessoa.  

Cada aparelho celular, tablet, notebook e seus aplicativos carregam uma quantidade gigantesca de dados sobre os indivíduos – preferência de leitura e música, onde esteve, onde comeu, que tipo de restaurante mais aprecia, o que comprou na última estação do ano, que tipo de roupa gosta, quanto veste, onde se exercitou e como, com quem falou, para onde viajou, como estão batimentos cardíacos e a pressão, quando e onde fez os últimos exames, bem como as redes sociais mais utilizadas.  

Assim, com tantos dados disponíveis e tratados de acordo com a Lei Geral de Proteção a Dados (LGPD), é possível ter uma infinidade de soluções inovadoras que olhem para o ser humano como único, tornando intolerável, por exemplo, que seja oferecido a ele, em uma campanha de marketing, algo que nada tenha a ver com seus hábitos de consumo. O X da questão passou a ser como transformar esses dados em insights que possam servir de base para inovações que contemplem perfis diferenciados de maneira personalizada. O cliente quer ser reconhecido como único pelas marcas com as quais se relaciona. Além disso, precisa perceber que a empresa realmente o conhece a ponto de oferecer algo que traga mais valor à sua vida.  

Na era da Sociedade 5.0, ajudar os clientes em seus desafios cotidianos deve ser uma preocupação constante entre as empresas que desejam permanecer no coração do consumidor. Não é por acaso que várias corporações contam com especialistas para o desenvolvimento de produtos e serviços orientados a dados.  

Você já deve ter ouvido que os dados são o novo petróleo do mundo, que as empresas que desejam sobreviver na nova economia precisam adotar uma cultura data-driven. Seguindo esta premissa, a informação tornou-se o maior ativo de uma empresa, que, por sua vez, precisa saber entender os dados para extrair os principais insights para seu negócio. Com a informação certa, no lugar certo, a vantagem competitiva das empresas passa a ser gigante.  

Os dados, quando bem avaliados, podem contribuir para o desenvolvimento de novas estratégias centradas no cliente. Porém são os seres humanos, com sua criatividade intrínseca, que irão definir a melhor maneira de trabalhar com as informações para gerar experiências memoráveis entre os clientes e as marcas.  

 

Danielle Franklin é diretora comercial da Scala, empresa do Grupo Stefanini com foco na implantação de abordagens tecnológicas que exigem alto grau de especialização em negócios, como Analytics, Inteligência Artificial, Hiperautomação, Integração e Cloud.   

  


Scala é premiada em 5 categorias no Ingram Micro Awards 2021

A Scala recebeu em fevereiro, o reconhecimento em cinco categorias muito especiais no IBM Partner Kick Off Meeting by Ingram Micro. 

Na última terça-feira de fevereiro (22), aconteceu o IBM Partner Kick Off Meeting, evento realizado pela Ingram Micro com os principais executivos desta e também da IBM.

O encontro 100% remoto e online, teve como propósito unir os principais executivos da Ingram Micro e IBM para compartilhar o direcionamento estratégico e objetivos para 2022, junto com o ecossistema de parceiros de negócios.

Como parceiros de longa data, estivemos presentes para prestigiar e entender como seguiremos juntos e mais fortes neste novo ano de muitos desafios.

Ficamos muito felizes ao sermos reconhecidos pela nossa atuação em 2021 nas categorias:

Agradecemos ao nosso time Scala por mais essas conquistas e agradecemos ao time Ingram/IBM pelo carinho e reconhecimento, que só reflete o comprometimento com nossa parceria.

O prêmio foi anunciado durante o evento virtual batizado de Ingram Micro Awards 2021, em virtude da parceria, em diversas categorias onde a Scala foi líder no ano de 2021. 

Durante o evento, os convidados também puderam conhecer as novidades e estratégias das soluções da Ingram Micro e IBM, para entender de que forma realizar uma leitura cada vez mais certeira dos dados. 

 


Outubro Rosa na Scala

O câncer de mama é o segundo tumor mais frequente no mundo e afeta milhares de mulheres só no Brasil, portanto, é uma doença que não pode ser ignorada. 

E quanto antes o diagnóstico, mais chances de CURA. Portanto a PREVENÇÃO é o caminho. 

Neste outubro rosa vamos compartilhar o depoimento da nossa querida e inspiradora Elaine Ferreira, Gerente de Negócios Scala, que foi diagnosticada no início deste ano. 

“Todos os anos sempre faço a minha divulgação para contribuir com essa causa tão importante. Porém este ano a ação está sendo diferente, este é o meu depoimento como uma mulher que entrou para a estatística das milhares de mulheres que são diagnosticadas com câncer de mama. Mas também faço parte de uma outra estatística - o de alto percentual de cura, pois tive diagnóstico precoce em estágio inicial, que está sendo essencial no processo.     

A PREVENÇÃO. Escrevendo com letras gigantes, é o que salva vidas sempre! 

Desde os meus 29 anos anualmente faço meus exames, independente do momento que esteja vivendo. Em fevereiro completei 47 anos e como de costume fui realizar os exames, quando me pediram para repetir a mamografia da mama esquerda com duas biopsias (alerta vermelho).  

Saiu o resultado, e com ele o diagnóstico da médica confirmando o câncer de mama. Foram cinco segundos de congelamento, respirei fundo e perguntei na hora o que tinha que ser feito. Sai do consultório com consultas marcadas para o dia seguinte com a oncologista e mastologista, realizei novos exames e recebi as primeiras instruções.  

Logo veio o final de semana, e com a cabeça cheia fui buscar informações onde? No Dr. Google, onde foi decretada a minha sentença de morte. Por alguns dias chorei bastante sozinha pois ainda não havia contado a ninguém (está é uma etapa importante e delicada). 

Lições aprendidas neste primeiro momento: 

1 - Prevenção salva vidas  

2 – Faça seus exames anualmente e leve para sua médica(o) ver e ler junto com você. 

3 – Não consulte o Dr. Google.  

A minha neoplasia não foi detectada com toque, pois estava muito próximo do tórax e no estágio inicial, então somente com a mamografia e ultrassom foi diagnosticada. Portanto, faça os exames, mantenha os exames de rotina sempre em dia.  

Para diminuirmos as estatísticas e o aumento de casos, a prevenção precisa ser primária: começando pela mudanças do estilo de vida, alimentação mais saudável e equilibrada, reduzir o sobrepeso e a obesidade e principalmente praticar regularmente exercício físico.  

Aqui deixo minhas sugestões de sites para quem deseja saber mais sobre os tipos de câncer, com vídeos, reportagens e rede de apoio que um paciente diagnosticado precisa: 

https://vencerocancer.org.br/  

https://vencerocancer.org.br/noticias-mama/os-avancos-ampliam-as-possibilidades-de-cura-para-o-cancer-de-mama/ 

No momento estou em tratamento, desde o diagnóstico tiveram novos exames para saber nome e sobrenome do meu tipo de câncer, e somente depois de identificar o tipo, foi marcada a cirurgia. A cirurgia foi realizada no dia 18 de maio de 2021, foram 10 horas com duas cirurgias (retirada do tumor e a reconstrução das mamas). Fiquei apenas 10 dias de repouso e desde então continuo trabalhando. Iniciei a quimioterapia em junho, já foram 12 sessões de quimio (ficava no mínimo 12 horas no hospital por semana), 80 dias com cateter no braço, 15 injeções para melhorar a defesa do meu organismo, 25 exames de sangue.  

Farei a partir de outubro, 15 sessões de radioterapia, tendo que tomar injeções para o tratamento de imunoterapia até maio/22 e um remédio diário por 5 anos para hormonioterapia.  

Durante o mês de outubro farei alguns vídeos contando mais sobre todo o meu processo, desde como compartilhei com a família, a montanha russa das emoções e sentimentos, e de como estou lidando com tudo isto. 

Ufa! E vocês devem estar pensando como ela esta com tudo isto? 

Estou bem e confiante, fazendo planos para o futuro como sempre faço, celebrando a vida a cada dia e essa paz que me inunda vem de um lugar – Deus. Encontrei uma equipe médica que me passa confiança, tenho uma família maravilhosa e presente que me apoia, sem falar nos amigos que permaneceram firmes comigo, a empresa que também tem me apoiado, e principalmente amparada pela minha fé. Só tenho a agradecer diariamente por tudo que estou vivendo, pois creio, confio e entrego. 

Previna-se, faça exames, procure por informações confiáveis e acredite que quanto mais cedo for o diagnóstico, maiores são as chances de cura. Prevenção salva vidas!” - Elaine Ferreira. 

Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero. A Scala apoia está causa!


A Scala recebe o prêmio de melhor parceiro IBM em Analytics

A Scala recebeu um prêmio muito especial ao ser reconhecida como a melhor empresa parceira IBM para a área de Analytics.  

O prêmio foi anunciado durante evento virtual batizado de Abracadata, em alusão à mágica dos dados no que diz respeito à previsibilidade de comportamentos e tendências. 

Durante o Abracadata foram conduzidos diferentes painéis sobre Data & AI, Automation, AI Apps e estratégias de ecossistemas e houve também a premiação, que reconheceu os bons resultados da atuação das empresas parceiras. 

Na categoria Hunter, a vencedora foi a Scala, especializada em Processos, Analytics e Inteligência Artificial aplicada a negócios, por ter alcançado o maior volume de oportunidades em Analytics no período compreendido entre o segundo semestre de 2020 e o primeiro de 2021. Dentro dessa categoria, é contabilizado o volume de transações de Data, Automation e AIOps. 

Durante o evento, os convidados também puderam conhecer as novidades e estratégias das soluções da IBM e entender de que forma realizar uma leitura cada vez mais certeira dos dados. 


Scala lança Conselho de Analytics em parceria com a EBDI

O objetivo é fomentar discussões sobre a cultura data-driven e já resultou em um e-book sobre Augmented Analytics. Baixe agora! 

A relevância do uso de dados já é evidente em todas as áreas do negócio, porém realizar essa implementação não é uma tarefa fácil. Precisa, invariavelmente, do apoio da liderança para promover mudanças culturais que permitam às organizações tomar decisões baseadas em informações, conhecimentos e insights. “Não é porque uma empresa utiliza algoritmos e Machine Learning, ou porque possui um Data Lake que ela pode se considerar data-driven. Para que isso ocorra, uma jornada deve ser seguida com métodos, orientação de especialistas e apoio pragmático de toda a linha executiva”, afirma Filipe Cotait, diretor de TI da Scala. 

Pensando neste desafio e na importância de fomentar o debate sobre o papel do Augmented Anaytics nos ambientes corporativos, seja para definir o produto mais assertivo, melhorar a experiência do cliente por meio de um atendimento personalizado ou implementar a melhor estratégia de negócios, a Scala lançou, em parceria com a EBDI, um Conselho de Analytics, com a participação de executivos de diversas indústrias. A ideia é que seja um fórum de debates para compartilhar experiências, apresentar casos de uso e tendências, além de produzir conhecimento para ser compartilhado com o mercado.  

O resultados dos primeiros encontros foi consolidado em um e-book, que mostra de maneira clara e objetiva a importância de Analytics nas empresas e na vida de qualquer cidadão. O advento dos algoritmos, programas de computador que utilizam regras extraídas de análises avançadas de dados e Machine Learning, associado ao poder de processamento e armazenamento das plataformas de Big Data, permitem que as empresas tirem proveito da quantidade e variedade de dados que possuem em seus sistemas e, também, das informações disponíveis em outras empresas, plataformas e Internet.

De acordo com Devanyr Gonzaga de Aquino, head de Analytics e CRM do Next e que assina o primeiro artigo do e-book, o mercado está mais maduro para entender que as soluções de Analytics não estão apenas ligadas à área de tecnologia, mas também à estrutura de negócios. “No futuro não haverá empresa de sucesso sem investimentos em dados”, destaca o executivo.

Para Devanyr, as decisões automatizadas são uma grande tendência. Os algoritmos assumirão, cada vez mais, papeis fundamentais nas corporações. Um deles é a tomada de decisão sobre o que recomendar para os clientes – melhor produto, melhor momento e tipo de abordagem. “Muitas decisões simples podem, no início, ficar fora deste contexto analítico e do uso de algoritmos, considerando o investimento a ser realizado, mas será necessário, paulatinamente, embarcar grande parte da empresa nesta jornada da decisão orientada a dados”, ressalta.

O gerente sênior de Engenharia, Governança e Qualidade de Dados do Bradesco, Igor Valentim, acredita que o conselho foi uma grande oportunidade para reunir profissionais que trabalham com dados em diferentes indústrias e que, de maneira colaborativa, montaram cenários de discussões sobre sua usabilidade no dia a dia. “Independentemente da indústria, os desafios de dados são similares e fazem com que a gente consiga aprender com a experiência do próximo.”

Para Luciane Klein, VP de Marketing e Produtos da EBDI, os encontros promovidos pelo conselho aproximam as soluções de vários setores industriais. “Esse benchmarking abre as portas de sua empresa para enxergar o que o outro está fazendo. Dessa forma, você economiza tempo e energia nos processos de tentativa e erro, que muitas vezes demandam anos”, explica.

Atualmente, existem vários fóruns de discussão de tecnologia, mas quase nada específico em Analytics, na visão de Danielle Franklin, diretora comercial da Scala. Esse foi um dos motivos que motivaram a Scala, juntamente com a EBDI, a lançar o conselho, já que a tecnologia será uma grande tendência nos próximos anos.

Segundo o Gartner, até 2023, mais de 33% das grandes empresas terão analistas praticando inteligência de decisão (Decision Inteligence), que reúne várias disciplinas, incluindo gerenciamento e suporte à tomada de decisões. Ela fornece uma estrutura para ajudar os líderes de Data & Analytics a projetar, modelar, alinhar, executar, monitorar e ajustar modelos e processos de decisão no contexto de resultados e comportamento dos negócios.

A consultoria também prevê que 35% das grandes companhias serão, até 2022, vendedoras ou compradoras de dados via mercado formal de dados on-line, contra 25% em 2020. Os mercados e as trocas de dados fornecem plataformas únicas para consolidar ofertas de registros de terceiros e reduzir custos para fontes de terceiros. “O mundo data-driven é um caminho sem volta”, complementa Danielle Franklin.

 


Como ter (e manter) um banco de dados saudável?

Durante um workshop, o executivo Rajeev Priyardashi, da IBM, disparou a pergunta: por que devo cuidar da minha saúde? E ele mesmo respondeu: porque pretendo correr e brincar com meus netos quando chegar aos 70.

Read more


Governança de dados para quê? Devemos investir nisso?

Como fazer o cross sell e vender mais para quem já é cliente? Quem, no nosso imenso banco de dados, está propenso a comprar um novo produtoQue decisão tomar e qual estratégia adotar em relação ao futuro? 

Read more


Ganhamos um prêmio por oferecer as melhores soluções em nuvem

Aqui na Scala, estamos orgulhosos. Nossos esforços no desenvolvimento de soluções baseadas de Inteligência Artificial, Analytics e Integração, entre outras tecnologias de ponta, rederam o prêmio  IBM Beacon Award, na categoria Outstanding Cloud Solution para América Latina.

O evento acontece anualmente e este ano, excepcionalmente, foi totalmente on-line, devido à pandemia de Covid-19.

“Esse novo reconhecimento ressalta a importante parceria que temos nos últimos anos com a IBM. Isso prova que estamos entregando projetos de valor agregado, com soluções que fornecem insights completos para promover a experiência digital dos nossos clientes. Também chega num momento importante, pois nosso planejamento para o ano é ampliar nossos negócios na América Latina”, diz José Carlos Pires, presidente da Scala.

José Carlos Pires, presidente da Scala

 

Em seu 21º ano, o IBM Beacon Award reconhece parceiros de negócios em todo o mundo que usam produtos e tecnologia IBM para criar soluções excelentes e despertar a inovação. Os vencedores e finalistas são selecionados por profissionais renomados. Ao todo foram 17 prêmios em oito categorias.

Se precisar da nossa ajuda com as demandas de sua empresa, é só chamar!

 


Nossa expertise somada ao portfólio Red Hat: parceria para transformar sua empresa

A Stefanini Scala firmou parceria com a Red Hat, empresa líder em inovação open source para TI, recém comprada pela IBM. Nossos clientes podem contar com o acesso a tecnologias confiáveis e de alta performance em cloud, Linux, gerenciamento, middleware, mobile, desenvolvimento, armazenamento e virtualização.

O amplo portfólio Red Hat inclui a plataforma OpenShift, que facilita o desenvolvimento de aplicações nativas em cloud, usando modelos de containers e ferramentas DevOps. OpenShift permite também gerenciar implantações de cloud híbrida e multicloud, otimizando trabalhos e melhorando a produtividade das equipes.

Quer saber mais? É só entrar em contato, clicando aqui.


Conquistamos a certificação Great Place To Work

A Stefanini Scala, a IHM Stefanini, com foco em engenharia e tecnologia para segmentos industriais, e a Orbitall, especializada em Serviços de Contact Center e Processamento de Meios de Pagamento, ventures do Grupo Stefanini, conquistaram a certificação Great Place To Work 2019. O GPTW avalia o clima organizacional e as melhores práticas de gestão de pessoas.

De acordo com o Braulio Lalau de Carvalho, CEO da Orbitall, os resultados mostram a importância de alinhar os anseios da companhia com os dos colaboradores, traçar objetivos e buscar melhores resultados, tanto para a empresa quanto para as equipes e seus líderes. “Mas não basta apenas ter reuniões de feedback esporádicas com seu time", diz. "O bom gestor é aquele que está próximo do dia a dia da empresa, fornecendo dicas contínuas para suas equipes, dando espaço para o diálogo que, por sua vez, impulsiona o crescimento dos colaboradores”.

Recentemente, a Orbitall passou a adotar o uso de patinetes para que os funcionários possam circular pelos corredores e espaços livres da companhia. A iniciativa busca estimular um ambiente de trabalho leve, lúdico e ainda mais colaborativo.

AMBIENTE CONECTADO

O programa de certificação GPTW permite, por meio de uma ferramenta on-line de pesquisa, a medição de forma prática da percepção dos funcionários em relação à empresa. “As pessoas aqui têm vontade de vir para o trabalho, os funcionários gostam de trabalhar em um ambiente conectado e com perspectivas reais de crescimento”, diz Filipe Cotait, diretor de tecnologia da Stefanini Scala.

“Aqui, os líderes incentivam ideias e sugestões e as levam em consideração nas rotinas de trabalho, confiando nos colaboradores que fazem um bom trabalho sem precisar vigiá-los”, diz Gustavo Brito, diretor de Digital Industry da IHM.

Segundo o GPTW, ao transformar a qualidade dos ambientes de trabalho, é possível transformar os valores e a maneira com que as pessoas se relacionam dentro e fora da empresa, contribuindo para a melhoria da sociedade como o todo. “Temos foco em gente, proporcionando um ambiente de trabalho harmonioso, onde os colaboradores se sintam bem em estar todos os dias. Acreditamos que promover uma boa relação entre as pessoas possibilita a criação de vínculos importantes que gera um ambiente sadio e produtivo”, finaliza Carla Alessandra de Figueiredo, gerente executiva de RH do Grupo Stefanini Brasil.