Nunca se falou tanto em Transformação Digital. Para muitos, um mindset, em que os pensamentos e as atitudes das pessoas e das organizações já estão naturalmente alinhados com a promoção desta visão. Para outros, um mantra que precisa ser reforçado diariamente para que haja cada vez mais a compreensão de todos de que movimentos nessa direção são vencedores.

Forçosamente ou não, estudos recentes demonstram claramente que as organizações estão pensando desta forma cada vez mais. Há 3 anos, por exemplo, aspectos como aumento de produtividade e redução de custos representavam, respectivamente, cerca de 30% e 22% o mindset das organizações. Transformação Digital, apenas 12%. Atualmente, há uma feroz reviravolta nessa mentalidade. Tanto a redução de custos quanto o aumento de produtividade continuam na agenda das organizações, mas perderam relevância e são considerados em apenas 7% e 9%, respectivamente. Por outro lado, a Transformação Digital pulou para 50%!

Independente da maturidade envolvida, este é um caminho necessário nos dias de hoje e a maioria esmagadora das organizações precisam considerar, em algum grau, jornadas de transformação digital para que uma ou mais áreas do seu negócio possam se transformar e melhorar.

Por quê?

Bem, existem várias respostas para essa pergunta, mas é importante considerarmos 2 aspectos:

Concorrência e Oportunidade

Negócios tradicionais versus negócios digitais. Organizações tidas como “tradicionais” começaram, em sua grande maioria, com uma mentalidade muito focada na ideação do seu modelo de negócios, da sua cadeia de valor, e dos processos de negócio que sustentam os seus produtos e serviços. Os aspectos de tecnologia normalmente eram considerados acessórios à estratégia organizacional, e eram tratados de fato num segundo momento.

Organizações digitais já nascem com um viés exploratório de negócios, produtos, serviços, oportunidades e inovações que levam em consideração, desde o momento “zero”, as abordagens e capacidades tecnológicas disponíveis que mais se adequam ao seu propósito transformador. Em resumo, do ponto de vista tecnológico apenas, negócios digitais são acelerados exponencialmente pela exploração adequada da tecnologia, enquanto negócios tradicionais não contam com essa escalabilidade imediata, e acabaram se moldando com o passar do tempo em cima de tecnologias que não estavam tão alinhadas com o que as organizações e o mercado estão entendendo ser relevante neste momento.

Consumo, comportamento, demanda, agilidade, diferenciação, dentre outros, são aspectos que mudam a todo o momento, e antever e se (re)posicionar em tempo a respeito é mandatório quando falamos em enfrentar a concorrência ou nos engajarmos em novas oportunidades. É, no mínimo, uma questão de sobrevivência. Para uma gama cada vez maior de organizações, o seu driver de negócios. Podemos tirar como conclusão desta breve reflexão a necessidade que todas as organizações têm de se transformar para que possam continuar sendo relevantes, tanto para o mercado quanto para as pessoas. E isso só é possível com a mentalidade adequada e com o amparo tecnológico adequado.

Agindo sem medo

Por razões óbvias, a Transformação Digital é impreterível para as organizações que estão funcionando sob um viés tradicional. Sabemos que mudar algo que já está “estabelecido” ou “atendendo” é sempre muito delicado, mas caminhar na direção das melhorias se torna algo possível quando elas ocorrerem aos poucos, quando a mentalidade e as expectativas de todos estão alinhadas, e principalmente quando ocorrem em função da priorização do negócio.

Dentre as coisas que mais encorajam a mudança pelas organizações, está o fato de que esses movimentos todos não estão acontecendo somente pela “crença”. Quem vive no mundo real e tem a preocupação de entender como as coisas se realizam na prática, sabe que não há milagres. Neste sentido, colocar para rodar jornadas de transformação específicas, bem definidas, de preferência curtas, e que testam a viabilidade das inovações, servem para que a cultura de transformação da organização seja experimentada, disseminada e aprimorada cada vez mais.

Há um benchmarking cada vez maior de organizações, produtos e serviços que estão efetivamente se transformando e colhendo os benefícios dessas mudanças porque, além da mudança gradativa da sua mentalidade, as tecnologias e suas respectivas abordagens estão permitindo isso de fato.

Habilitando a transformação

Olhando de um ponto de vista tecnológico simples e objetivo, uma parte considerável de uma jornada de Transformação Digital pode estar associada à aplicação de capacidades digitais aos processos organizacionais que sustentam produtos e serviços, e consequentemente a sua cadeia de valor. Significa dizer que estes processos podem ser melhorados em termos de eficiência, valor para o cliente, gestão de riscos, ou mesmo para atender novas oportunidades de monetização.

Quando falamos de processos organizacionais, é inevitável falarmos de uma gestão por processos de negócio e da abordagem de BPM (Business Process Management). Uma gestão por processos está diretamente alinhada com uma mentalidade transformadora, orientada a mudanças, e que atua considerando que o que está funcionando hoje pode não estar adequado para o amanhã.

Ou seja, as coisas mudam, o mercado muda, o consumo muda, o cliente muda seu comportamento, os dados mudam, e os nossos processos de negócio precisam acompanhar todas essas mudanças. Um mindset organizacional transformador precisa estar amparado por abordagens e tecnologias que sustentam a transformação que o negócio quer realizar.

Encontramos no dia a dia diversas organizações que se enquadram em diferentes níveis de maturidade numa gestão por processos, desde os níveis mais embrionários baseados somente em documentação, até os que estão no estado da arte da automação. Há muito espaço para transformação, mas essa jornada precisa ser impulsionada pela organização e deve estar alinhada com a sua estratégia.

Processos digitais

Processos digitais envolvem o uso de uma série de capacidades e assets digitais que habilitam a escalabilidade de negócio das organizações. A ideia principal é transformar os processos de negócio a níveis extremos em termos de agilidade, eficiência operacional, redução de custos e otimização de operações. Essas capacidades (e assets) digitais podem representar a digitalização de diversas operações, serviços, funções, processos, ou mesmo plataformas que a organização adotou, amadureceu e disponibilizou ao longo do tempo. Com essas capacidades disponíveis digitalmente, processos de negócio podem orquestrá-las e consumi-las progressivamente, tornando-se cada vez mais digitais.

Existem muitas formas de irmos em busca da digitalização de processos, mas é importante considerarmos alguns aceleradores essenciais que trazem grande benefício aos processos de negócio, e podem ser avaliados e incorporados pela organização através de jornadas de transformação digital:

Canais digitais e modelos de negócios – Uso da mobilidade, monetização por meio de APIs, Blockchain, ativos alavancados…

Capacidades digitais – Automatização de processos, robotização de atividades humanas, gerenciamento de decisões, gerenciamento de conteúdos digitais, gerenciamento de dados mestre, machine learning, predição, cognição, insights analíticos…

Infraestrutura digital – Integração por meio de APIs, uso de uma arquitetura SOA, aptidão para interoperar em hybrid cloud, baixo desenvolvimento de código, DevOps…

Combinar as capacidades e os assets digitais que fazem sentido aos processos da organização é o fator chave. Significa pensar na utilização desses recursos visando escalar o negócio através da automatização e da automação.

Conclusão

Quando pensamos numa jornada de Transformação Digital voltada para a digitalização de processos, buscamos aumentar a agilidade da organização, aumentar a sua eficiência operacional, reduzir os seus custos de operação, e otimizar as suas operações sempre buscando o estado da arte. Obtemos isso essencialmente através da automatização e da automação.

Cada organização possui uma agenda exploratória de negócios, produtos, serviços, oportunidades e inovações. Nossa missão ao final desta agenda é estender os seres humanos com o apoio do trabalho digital para permitir que os negócios sejam escalados e alavancados.

 

Douglas Katoch

Gerente de Pré Vendas da Stefanini Scala