Foi ainda em 2005 que o BNB – Banco do Nordeste do Brasil decidiu adotar uma nova arquitetura de TI, orientada para os serviços (SOA), que propicia maior flexibilidade no atendimento a clientes. A nova abordagem levou ao desenvolvimento de diversos serviços de softwares e, consequentemente, resutou na necessidade de criação de um catálogo que centralizasse as informações sobre esses serviços e ativos.

A ideia era a de que um sistema catalogado estimularia a reutilização e o uso de forma eficiente. Foi então que o BNB decidiu investir num Projeto de Governança SOA, chamando esse desafio a Stefanini Scala para o desenvolvimento de ferramentas e serviços de consultoria.

Governança SOA se traduz pela definição de políticas, de procedimentos e de processos que são necessários para permitir uma tomada de decisão eficiente e eficaz sobre serviços. Enquanto a Governança de TI cobre aspectos como Governança de Dados e Segurança de TI, a Governança SOA vai além e se prepara também com aspectos do “ciclo de vida de serviços”, tais como o registro, a propriedade, a publicação e a descoberta, o versionamento e a segurança.

Uma solução que incentiva a reutilização leva à redução de custos e retrabalho, acelera o prazo de entrega de uma solução, viabiliza a administração, divulgação e visão de ponta a ponta, rastreabilidade e acompanhamento de todo o ciclo de vida dos serviços e dos ativos de software, tanto vertical quanto horizontalmente. Deu para perceber que são muitas as vantagens, concorda?